Loading...
Giovanni Ramos blog
Comunicação, Novas mídias e Política Brasileira | Home

Confinamento: entre o cansaço e a ansiedade

Novo lockdown contra Covid-19 tem um desafio: superar o cansaço das pessoas com a pandemia.

Ruas vazias e uma sensação de estar sendo vigiado. O clima do primeiro confinamento era de alerta geral. Não sabíamos exatamente o que era o tal vírus, mas tínhamos medo de sair de casa. A cidade não tinha nenhum caso registrado, mas todos comportavam-se como se o vírus estivesse ao seu lado.

Refiro-me a Covilhã, Portugal, entre março e abril de 2020. Todos em casa, trancados, procurando algo para fazer na internet. Milhares de lives, uma explosão de podcasts e o zoom fazendo parte da nossa vida como se fosse algo que já estivesse conosco há anos.

Cumprimos tão bem as regras do confinamento que celebramos os primeiros dias com o comércio aberto como se estivéssemos sendo soltos após anos na prisão. Orgulhosos, dizíamos que cumprimos as regras e agora poderíamos, aos poucos, retomar a vida normal. Os casos diários da Covid-19 baixaram de 900 para 300, no mais alto valor da semana.

Janeiro de 2021…

Novo lockdown em Portugal, com mais de 10 mil casos por dia e recorde atrás de recorde de mortos. Os hospitais quase no limite, sistema de saúde em pânico no país. Em tese, deveríamos aderir ao confinamento com mais entusiasmo e preocupação que na primeira vez, certo?

A sensação que tive ao ir ao supermercado foi outra. Parecia que nem havia lockdown. As pessoas nas ruas, casais e grupos de amigos nas praças, pessoas andando sem máscara. Isso tudo com o comércio fechado. A Covid continua entre nós e agora está muito mais perto. E não temos mais a mesma determinação para confinar.

Cansamos. Como pesquisador, posso trabalhar de casa e estou reduzindo ao máximo os contatos sociais, programando e organizando as vezes que preciso sair de casa. Mas a maioria não pode ou não pensa assim. Continua sua vida normal e parece não cogitar ficar em casa.

Aplicando a Portugal o Teorema de Vampeta1, o governo finge que proíbe e as pessoas fingem que cumprem as regras. A maioria está consciente do perigo do coronavírus, mas não tem mais paciência para um lockdown.

Quase lá…

Quem não está cansado, está ansioso demais com a demora na entrega das vacinas. Apenas duas empresas foram aprovadas em Portugal no momento que este texto é publicado. Há uma terceira a ser aprovada ainda em janeiro (Oxford/Astrazeneca) e duas a caminho (Curevac/Bayer e Johnson&Johnson).

Nem refiro-me a uma vacinação em massa para a toda a população, mas completa para os grupos prioritários, suficiente para tranquilizar os hospitais e permitir a volta dos serviços, ainda com restrição.

Seja o cansaço, seja a ansiedade, estamos todos com a saúde mental afetada.


1 – “Eles fingem que pagam, eu finjo que jogo“, do ex-jogador Vampeta, sobre sua passagem pelo Flamengo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

en_GB