Loading...
Jornalismo, estudos da mídia e um pouco de política | TODOS OS ARTIGOS
17 de December de 2020

Vacinas da Covid-19: foco na campanha, não na obrigação.

As campanhas de vacinação contra a Covid-19 começam no mundo inteiro e no Brasil a anti-campanha de Bolsonaro pode ser mais maléfica do que a própria desorganização do governo. Discutir obrigatoriedade da vacina é uma armadilha que vai causar estragos ao país.

Nos Estados Unidos e na Europa, a vacina não é obrigatória, mas os governos estão empenhados em fazer campanhas para conscientizar a população. Até o governo de Trump fará uma campanha para convencer os americanos a tomar.

Por que campanhas para conscientizar? Porque é normal haver uma dúvida sobre um medicamento novo. Em Portugal, apenas 61% dos portugueses afirmam que querem tomar a vacina assim que estiver disponível. São 32% os que cogitam esperar ou mesmo não tomar.

Ainda sim, o governo português já reservou, junto a União Europeia, 22 milhões de doses de vacinas para 2021, isto dá para toda a população e sobra. Aquela ideia: convencer o cidadão a tomar e garantir que ela esteja disponível.

Problemas no Brasil

O governo brasileiro só acertou com um fabricante de vacina até agora: a Astrazeneca. Estamos falando de 210 milhões de pessoas, ou seja, 420 milhões de doses. O país está muito longe de conseguir disponibilizar vacinas para toda a população em 2021.

Por motivos eleitorais, Bolsonaro não aceita que uma vacina venha pelo Butantan, ou seja, pelo governo paulista de João Dória (PSDB). Esqueça a lorota da China, do PCC. O problema do presidente com a Coronavac é o Dória.

Na incapacidade de disponibilizar vacinas para todos e na birra de não aceitar ajuda paulista, Bolsonaro optou pelo pior caminho: uma campanha anti-vacinação. E o assunto obrigatoriedade está sendo usado a favor desta campanha negativa.

O que é obrigatoriedade?

Ninguém vai ser preso por não tomar a vacina, nem pagar multa por isso, muito menos ser forçado fisicamente a tomar. Quando governadores e políticos recorrem ao STF sobre a obrigatoriedade da vacina (algo previsto na lei aprovada por Bolsonaro) é de poder fazer restrições com quem negar a tomar.

Exemplo: quem não tomar a vacina ser impedido de inscrever em faculdades públicas, fazer concursos, receber o bolsa-família. Permitir que uma empresa possa demitir um funcionário por recusar a tomar a vacina. São medidas que não obrigam o cidadão a se vacina, mas conduzem a isso.

Governadores querem ter o poder de fazer isso caso o governo não opte, é isto que está a ser debatido no Supremo. Você vacina se quiser, mas se não quiser, arque com as consequências. Argumento: saúde pública.

A campanha de Bolsonaro

O governo federal está mostrando ser incapaz de gerir um plano nacional de vacinação que permita o acesso a toda a população. Vem demonstrando incompetência para conseguir essas vacinas em 2021. O que o presidente faz? Aposta em uma campanha para desestimular a população a se vacinar.

Descredibilizar os laboratórios e colocar medo na população é o primeiro passo. A história da obrigatoriedade entra no jogo. Confunde-se a população a ponto de ela achar que os governadores querem forçar fisicamente todo mundo a se vacinar.

Cria-se um debate fake sobre obrigatoriedade, deixa a população confusa, com medo e com isso diminui o interesse pela pelas vacinas. Assim, diminui-se a pressão para que o incompetente governo arrume doses para todo mundo em 2021.

Bolsonaro é o único líder de um país no mundo que diz não querer tomar a vacina. Este debate não existe na Europa, nos Estados Unidos. Existem sim, os conspiracionistas anti-vacina, mas nem Trump, nem Putin, nem nenhum lider mundial apoia esses loucos.

No Brasil, os anti-vacina tem o apoio explícito do presidente da República, do gabinete do ódio com suas campanhas nas redes sociais e de colunistas chapa-branca que fazem malabarismos retóricos para defender o governo em qualquer situação.

Ter um presidente na linha de frente desta estúpida campanha é perigosíssimo. Não será apenas a horda de fanáticos apoiadores que será atingida, influenciada por este discurso. Os resultados podem ser catastróficos….

Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

en_GB