Carregando...
Blog do Giovanni Ramos
Comunicação, Novas mídias e Política Brasileira | Página Inicial

Deserto de Notícias atinge 18.5% dos municípios portugueses

Dos 308 municípios portugueses, 57 não possuem nenhum jornal, rádio ou televisão.

Há um pouco mais de um mês comentei aqui no blog que o Deserto de Notícias atinge 62% dos municípios brasileiros. O termo surgiu nos Estados Unidos para designar cidades que não possuem nenhum meio de comunicação social, seja jornal impresso, digital, rádio ou televisão.

Os dados brasileiros foram apresentados pelo Atlas da Notícia. Como pesquisador do projeto Re/media.Lab da Universidade da Beira Interior, decidi levantar informações a respeito do cenário português. Os resultados ainda estão sendo analisados, porém as primeiras informações já podem ser divulgadas.

Portugal possui 18.5% dos municípios na situação de deserto de notícias. Dos 308 concelhos, 57 não possuem nenhum jornal, rádio ou televisão. São, em sua maioria, vilas sem uma representação midiática local que poderia, por exemplo, fazer uma mediação importante nas eleições municipais a serem realizadas em 2021.

Para fazer este levantamento, utilizou-se os dados fornecidos pela Entidade Reguladora da Comunicação (ERC). Diferente do Brasil, a mídia é regulamentada em Portugal e os meios de comunicação precisam estar registrados na ERC, algo que facilita em muito a pesquisa.

1747 meios de comunicação impressos e digitais, 327 operadores de rádio e 63 operadores de televisão distribuídos em
251 dos 308 municípios.
Outros 57 vivem um deserto de notícias

Os dados são do dia 28 de agosto, última atualização da ERC. Portugal possuía na data, 1747 meios de comunicação impressos e digitais, além de 327 operadores de rádio e 63 de televisão. São 760 jornais regionais e 319 rádios locais ou regionais.

Os 57 municípios que estão no Deserto de Notícias revelam um pouco do cenário socioeconômico do país. O país é dividido em 20 distritos, sendo que os cinco distritos mais populosos são aqueles menos atingidos pelo deserto. Porto, Aveiro e Braga, regiões que além de populosas, são ricas, não possuem município sem mídia. Viana do Castelo e Setúbal, também no Litoral, não são atingidos pelo deserto.

O distrito de Lisboa possui apenas um concelho. Nos distantes distritos de Portalegre (região do Alentejo) e Vila Real (Norte), o deserto de notícias aumenta. Portalegre é o distrito menos populoso do país

Litoralização

Apenas dois concelhos litorâneos entraram no deserto de notícias, ambos no Algarve. Dos demais, todo o litoral é coberto por um meio local em cada concelho. Quanto mais para o interior, maior o número de cidades sem mídia.

Das cinco regiões de Portugal continental, o Alentejo é que possui maior número de cidades sem mídia. A palavra desertificação, neste região, tem múltiplos sentidos, pois a região também sofre com a desertificação populacional e climática. Obviamente que em uma região com poucos habiantes e pouca infraestrutura, as chances de um jornal sobreviver são muito menores.

Distritos mais afetados

  • Portalegre – 7 de 15 municípios
  • Vila Real – 7 de 14 municípios
  • Madeira – 5 dos 11 municípios

Distritos menos afetados

  • Aveiro, Braga, Porto, Setúbal e Viana do Castelo – nenhum
  • Lisboa – um município

Por regiões

  • Mais afetadas: Madeira, Alentejo
  • Menos afetada: Lisboa e Vale do Tejo

E a pandemia?

Estudar desertos de notícias é apenas uma parte da minha pesquisa sobre modelos de negócios para o jornalismo local, área escolhida na minha tese de doutorado e também inclusa no projeto Re/media.Lab. A crise econômica gerada pela pandemia da Covid-19 deve afetar o mercado de comunicação no mundo inteiro e as primeiras pesquisas a respeito já foram publicadas em revistas.

Ressalta-se que muitos dos 57 concelhos são atendidos por meios regionais de outras cidades. Porém, as chances dessas comunidades terem prioridades podem ser menores em uma situação como eleições locais.

No caso do deserto de notícias, ainda é cedo para falar, as consequências ainda serão sentidas pelos media nos próximos meses. Portanto, a proposta aqui é produzir duas pesquisas: uma em andamento, cujo post é uma parte dele, com o cenário atual e outra para ser feita daqui a um ano, para poder saber se o deserto aumentou ou não com a pandemia.

O que já pode-se adiantar nesta postagem é indissociável ligação entre o desenvolvimento econômico e a mídia em um município. Um jornal é fundamental na democracia e no desenvolvimento de uma cidade. E uma cidade desenvolvida é fundamental na sobrevivência de um jornal. Uma coisa depende da outra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

pt_BR