Carregando...
Jornalista, professor e pesquisador
20 de dezembro de 2021

Artigo aborda o uso do paywall em jornais locais

Assine o jornal para ler esta notícia. Ajude o nosso jornal e faça uma doação. Quem costuma se informar por jornais digitais já se esbarrou em uma mensagem dessas. Mas afinal, cobrar dos leitores com paywall e crowdfunding é uma boa estratégia?

“Classificar as estratégias que o jornalismo digital possui para disponibilizar seu conteúdo em suas páginas e conhecer a realidade na imprensa regional portuguesa”. Este é o início do resumo do artigo que publiquei em dezembro na revista Estudos de Comunicação.

FAÇA O DOWNLOAD DA REVISTA ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO

O artigo mapeia o uso de paywall e crowdfunding nos jornais digitais de Portugal. Afinal, são as duas estratégias de cobrança mais utilizadas na web. Mas há outras como os micropagamentos, ainda pouco usados no jornalismo, onde o leitor paga por notícia avulsa, em centavos.

Apenas impresso e nativos digitais gratuitos

Um dado curisoso deste artigo é a quantidade de jornais regionais portugueses que obrigam o leitor a comprar a versão impressa. Assim, a notícia no site vem com uma mensagem “leia mais na edição impressa”. E não existe assinatura 100% digital. Portanto, se o leitor quiser se informar, o jornal obriga a ter o papel.

Este artigo foi produzido devido ao crescimento dos paywalls nos jornais. São poucos os nacionais e internacionais com conteúdo aberto. No caso dos regionais portugueses, isso é comum nos chamados nativos digitais, aqueles que já surgiram apenas na internet. Nestes casos, a receita tem origem apenas na publicidade.

VEJA OUTROS ARTIGOS PUBLICADOS

Paywall e crowdfunding começam a se popularizar

Ninguém paga por notícia online. O povo quer tudo de graça. Foi-se o tempo que essas premissas eram 100% verdadeiras. Atualmente, a cobrança pelos conteúdos jornalísticos é algo cada vez mais comum, pois a rejeição diminui a cada ano.

Por outro lado, temos o crowdfunding como alternativa para os paywalls. As campanhas de financiamento coletivo surgiram para outros propósitos, ganharam o mundo das artes com plataformas digitais e chegaram ao jornalismo. Primeiramente, no financimento de grandes reportagens, depois, no financiamento recorrente de toda a redação.

Os crowdfunding exigem uma fidelidade maior dos leitores, já que não restringe o conteúdo. Por outro lado, é uma alternativa interessante para evitar uma maior elitização do jornalismo de qualidade. Quem tem dinheiro, paga e fica bem informado. Quem não tem fica a mercê da desinformação, do sensacionalismo, etc.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

pt_BR